PUC-SP Voltar para página inicial
 
Espetáculos
Página inicial > Espetáculos > Constelações
Constelações
 

Gênero
Drama

Temporada
7 de Abril a 25 de Junho de 2017

Dias
Sextas e Sábados às 21h / Domingo às 18h

Duração
70 minutos

Indicação de faixa etária
14 anos

Local
TUCARENA – Teatro da PUC-SP Rua Monte Alegre, 1024 (entrada pela Rua Bartira) – Perdizes - São Paulo – SP

Capacidade
300 lugares

Vendas

Pela Internet: www.ingressorapido.com.br
Central de Vendas: (11) 4003-1212 (aceita todos os cartões de crédito)
(aceita todos os cartões de crédito)

Horários de funcionamento da bilheteria:
De terça-feira à domingo das 14h00 às 20h00.

Formas de Pagamento:
Amex, Aura, Diners, Dinheiro, Hipercard,
Mastercard, Redeshop, Visa e Visa Electron.

Estacionamento conveniado:
Pier Park Estacionamentos - Rua Monte Alegre, 835 - R$18,00 - Tel.: (11) 3120-5052 (Valor válido somente mediante a apresentação de ingressos das peças em cartaz no TUCA)
VALET ESTAPAR - SOMENTE SÁBADOS E DOMINGOS, R$ 25,00.

Sobre o espetáculo

Pode uma simples palavra alterar o rumo de nossas vidas?

Através de uma sucessão vertiginosa de sketches, os espectadores acompanham o relacionamento entre Marianne e Roland, que vai se desdobrando através do tempo e do espaço.

Como fio condutor deste(s) encontro(s), a física quântica, o multiverso. Todas as escolhas que você já fez, ou jamais fez, são parte de um vasto conjunto de universos paralelos, diz Marianne, a cosmóloga, cuja mente parece estar sempre no espaço, para um cético Roland, o apicultor, homem concreto, da terra.

Cada variação de texto coloca-os em uma trajetória inteiramente nova, ora aproximando-os, ora distanciando-os, como se o livre arbítrio fosse apenas uma invenção humana ou, de acordo com os princípios da física quântica, como se eles estivessem vivendo vidas paralelas, mas sem nenhuma consciência desse fenômeno.

Sem nenhum didatismo, e com enorme habilidade, o autor coloca em cena o conceito das realidades paralelas, através de uma sequência de vinhetas, nas quais uma relação vai se construindo.

Uma crônica cubista, portanto, que se move entre cantada, sedução, casamento, doença e morte iminente, toda ela permeada por curiosas e, em alguns casos, hilárias, situações do dia a dia.

Romance e ciência colidem nessa insólita história de amor, com diálogos que refletem o dinamismo de nossa era digital, sem deixar de lado a riqueza de significados que as palavras encerram, provocando nos espectadores as mais variadas indagações sobre a nossa (ir)relevância no universo.

Constelações estreou no Royal Court Theatre de Londres em janeiro de 2012, com Sally Hawkins e Rafe Spall, dirigidos por Michael Longhurst. As críticas foram entusiásticas e, devido ao sucesso de público, a peça teve uma segunda temporada no West End, reestreando no Duke of York’s Theatre em novembro daquele ano.

Aos 29 anos de idade, Nick Payne ganhou o cobiçado Evening Stardard Theatre Award de melhor peça do ano, tornando-o o mais jovem dramaturgo a receber tal honraria.

Em janeiro de 2015, a peça estreou na Broadway, no Samuel J. Friedman Theatre, com Ruth Wilson e Jake Gyllenhaal. Foi dirigida, mais uma vez, por Michael Longhurst, com uma nova concepção, transformando a montagem intimista do Royal Court em uma produção grandiosa.

A magia não se perdeu, mostrando o poder que a peça tem qualquer que seja o teatro em que é apresentada. Tal como em Londres, os críticos ficaram impressionados com a originalidade do autor, que cria uma história de amor extremamente sofisticada, em meros 70 minutos, e que mesmo assim, ganha a adesão imediata do público.

A ambivalência emocional, inevitável em qualquer relação, tem um impacto muito maior aqui, por causa do multiverso, ou universos paralelos, no qual a peça transita. Não é preciso ser um cientista para se entender as várias versões de um relacionamento, que vão se descortinando diante de nossos olhos, com pequenas variações de texto e tom, colocando em dúvida nossas noções de tempo e espaço, mas nunca a nossa busca pelo amor perfeito que, lá no fundo, sabemos, não passa de uma miragem.

Para Ulysses Cruz, “Nick Payne conduz suas indagações pelos universos paralelos com enorme senso de humor e calor humano. É na atração que Marianne e Roland sentem um pelo outro que a peça se detém. Na vontade sobre-humana de conseguirem se comunicar. A ironia é que seus universos também são paralelos e linhas paralelas jamais se encontram”, afirma o diretor.

Equipe técnica:

Texto Nick Payne
Tradução Marcos Daud
Digitação do texto Karol Garrett
Direção Ulysses Cruz
Diretor assistente e de movimento Leonardo Bertholini
Elenco:
Marília Gabriela - Marianne
Caco Ciocler e Sergio Mastropasqua - Roland
Cenógrafa e Designer Verônica Valle
Cenotécnico FCR / Rossi
Figurino e Visagismo Theodoro Cochrane
Iluminação Domingos Quintiliano
Música original (livremente baseada nas Quatro Estações de Vivaldi) Miguel Briamonte
Preparação Vocal Renata Ferrari
Fotos estúdio Miro
Assessoria de imprensa Daniela Bustos, Beth Gallo e Thais Peres
Assistente de Produção Bárbara Santos
Produção Executiva Katia Placiano
Produtoras Selma Morente e Célia Forte
Produção Morente Forte Produções Teatrais e Quadrilha da Arte

Galeria de fotos
Ingressos

Sex R$ 60,00 / Sab e Dom R$70,00
(Desconto de 50% para Estudantes, Maiores de 60 anos)

Preço especial PUC-SP

Preço especial PUC-SP
(Para estudantes, professores e funcionários da PUC sob comprovação - número de ingressos limitado a 10% da lotação do teatro) Acesso para pessoas com deficiência
R$ 10,00

comprar ingresso
Rua Monte Alegre, 1024 . Telefones: Administração (11) 3670-8453 / Secretaria: 8458 / Locações: 8460 / Comunicação: 8462 / Centro de Documentação e Memória: 8468
Copyright © 2011 Teatro Tuca. Todos os direitos reservados.
| DTI-Núcleo de Mídias Digitais